quarta-feira, 2 de setembro de 2009

OS PRIMEIROS DIAS


POR MARCELO CUNHA BUENO
Os primeiros dias de aula, ou de vida, numa escola são sempre uma surpresa! Descobertas, descobrir-se... no mundo, com as pessoas. Surpresas que nos fazem crescer, que nos costuram às coisas, às culturas.
Penso nas crianças que voltam das férias, que chegam à escola pela primeira vez! Tudo é novidade, tudo é diferente! Tantas coisas por vir, coisas que transformarão as vidas de pais, mães, crianças e famílias. Coisas que transformam a vida de professores e escola. Coisas que nos fazem perceber como é bom e importante viver em grupo, saber que podemos contar com outras pessoas para nos acompanhar nessa jornada de vida!
Educar é manter a surpresa, é cultivar os encontros, é acolher nos desencontros...
Para pais e mães que estão “em adaptação” ou passando por uma “readaptação” nesse começo de semestre, uma inspiração... Uma historinha baseada num olhar atento de quem cultiva surpresas!

“Minha mãe e meu pai me levaram a um lugar novo!”
— Olha! Tem um montão de gente... que, como eu, tem de olhar para cima! Olha! Um montão de bolinhas de sabão! Quem é essa daí?
— Oi, Felipe, eu sou a Wanda, sua professora! Deixa-me ver a sua mochila?! Nossa, que colorida! Vamos ver o que tem ali?
Não sei por que, mas fui no seu colo.
Ela falava com os meus olhos e eu a escutava com o meu corpo!
— Olha aquela borboleta que passou voando! Quantas peninhas pelo chão! Sinta o cheirinho de bolo que vem lá da cozinha! Olha quem está aqui: o pato e a galinha!
Tudo aquilo era muito gostoso.
Durante uns dias, foi assim! Mas teve um dia que minha mãe e meu pai disseram tchau! Meu coração ficou pequeno, meus olhos encheram de lágrimas e chorei bastante! Sentia algo que nunca senti antes: saudades! Meu corpo sentia falta dos braços do meu pai, do colo da minha mãe... sua temperatura, sua respiração, seu jeito de me dizer que me amava.
Aos poucos, também comecei a sentir algo que nunca senti antes: como era bom ficar naquele lugar! Como era bom poder viver coisas que não podia viver em casa! Como era bom saber que existiam outros colinhos, outros cheirinhos, outros afetos! Como era bom ficar na areia, subir nos brinquedos, cantar, ficar com a minha professora. Mas, principalmente, como era bom, no fim do dia, dar o maior abraço no meu pai e na minha mãe!

Bons recomeços!

Um comentário:

  1. Ola professor, parabenizo pela sensibilidade no ato de escrever. Sou professora em Sorriso MT, deixo meu abraço e "felicitaciones".

    Abraço
    Professora Jamili A S Machado
    jamilisor@yahoo.com.br

    ResponderExcluir